logo HR

Disbiose Intestinal

A mastigação deve ser lenta: melhora a lubrificação da comida pela saliva e o processo de digestão e aumenta o tempo de saciedade  

"Sentir cansaço, desânimo e mau humor. Barriga distendida após as refeiçôes, com gases e sentir o corpo pesado. Achar dificuldade de concentração e memória, ter inchaço nas pernas, irritação, enxaqueca. Não ter vontade de nada, parece que vai entrar em depressão".

Você já sentiu algum desses sintomas antes ? Você pode estar sofrendo de fadiga crônica, devido ao ESTRESSE OXIDATIVO e ao desequilíbrio da flora intestinal.Muitos pacientes chegam ao nosso consultório com esses sintomas, porém ficam frustrados por não encontrar a solução, pensando que possa ser algo psicossomático. É importante entender porque isto acontece.

A disbiose intestinal é uma doença que ocorre no trato gastrointestinal, devido a um desequilibrio da " ecologia "  que ocorre com as bactérias que povoam o nosso intestino ( chamada " flora " intestinal " ). Essa flora intestinal pode ser de boa ou má qualidade, e com isso, definir um boa ou má digestão, respectivamente. Com a presença de uma séries de situações do nosso dia a dia, á saber: uso indiscriminado de medicamentos, má qualidade de alimentação ( alimentos processados ), estresse diário e vários tipos de intoxicações ( agrotóxicos, álcool, fumo, etc ), podemos assim, promover o desequilíbrio nessa flora, e, com isto, passar a preponderar no nosso intestino as bactérias " ruins ".  Nesse caso, a capacidade defensiva do nosso organismo é prejudicada, ocorrendo uma depressão imunológica, já que 80 % do nosso sistema imune está localizado nas paredes do intestino delgado e grosso, além do que, com a presença da prisão de ventre, também ocorre o aumento da permeabilidade intestinal, ou seja,  começam a passar para a corrente sanguínea, toxinas que normalmente não passariam, e alguns “ bom “   alimentos, mesmo tendo sido digeridos,  não conseguem ser absorvidos, podendo gerar assim, a má aparência de pele, cabelo  e unhas, e também ocasionando as doenças auto-imune e alergias alimentares. Além do mais, é sabido que é no intestino que se produz vários neurotransmissores, enzimas e hormônios, entre eles um neurotransmissor chamado " serotonina " que, pode-se dizer, está relacionado á alegria de viver, daí a presença do desânimo e do mau humor. Este quadro torna-se um ciclo vicioso, pois com o desânimo, comemos mais doce,  carboidrato ( açúcar refinado ), carne vermelha e frituras ( gordura saturada ) desequilibrando cada vez mais a flora intestinal.

Com a presença desse estresse intestinal, aumentam a presença dos radicais livres podendo levar a doenças crônicas, envelhecimento precoce e ao aumento do peso.

Os sintomas são usualmente flatulência, alterações do ritmo intestinal, e distensão do abdôme, fadiga crônica, má aparência da pele, cabelo e unhas, retenção hídrica  o que provoca o agravamento das celulites e envelhecimento precoce e aumento do peso

Os alimentos funcionais estão cada vez mais sendo consumidos, por que além de fornecerem nutrientes necessários ao organismo possuem propriedades especiais, relacionadas com a promoção de saúde, podendo reduzir os riscos das doenças, principalmente as doenças crônicas, que mais acometem as populações mundiais, como câncer, obesidade, hipertensão arterial, diabetes e doenças cardiovasculares, doenças essas cada vez mais associadas á uma má dieta . Nos últimos anos, a ciência da nutrição tem tomado outro rumo, novas fronteiras se abrem ligando a nutrição e medicina como o surgimento de alimentos funcionais. O termo funcionalidade significa a propriedade do alimento que vai além de fornecer nutrientes.É um conceito até certo ponto novo e que tem vários alcances e uma vasta nomeclatura: nutracêuticos, alimentos para uso médico, alimentos para uso saudável, entre outras.

O consumo destes alimentos funcionais vêm aumentado bastante, como resultados de uma preocupação individual com a saúde, e hoje correspondem a aproximadamente 7 % do mercado mundial de alimentos. Procuraremos abordar alguns deles que têm sua  atividade funcional razoavelmente estudada, á saber.

 

FIBRA ALIMENTAR

As fibras são a parte comestível de plantas ou carboidratos análogos, que são resistentes á digestão e á absorção no intestino grosso de seres humanos. A FA inclui polissacarídeos, oligossacarídeos, lignina e substâncias associadas de plantas. A FA promove efeitos fisiológicos benéficos, facilita a evacuação, diminue o colesterol sanguíneo e a glicose sanguínea. Alguns componentes dessas fibras são prébióticos, chegando intactos ao intestino grosso, sem ter sofrido nenhum tipo de  degradação ou absorção, e lá são metabolizados seletivamente,  por um número limitado de bactérias benéficas. Essas são assim chamadas, pois promovem uma flora microbiana saudável, capaz de induzir efeitos fisiológicos importantes para a saúde.

 

As fibras alimentares, também atuam das seguintes formas:

 

  • Reduz os níveis de colesterol plasmático e das lipoproteínas de baixa densidade ( LDL – colesterol ), sendo que somente as fibras com alta viscosidade apresentam essa característica.     
  • Reduz a velocidade de esvaziamento gástrico  pelo aumento do nível de um hormônio chamado colecistoquinina,  auxiliando numa menor absorção da glicose e das gorduras, pois essa absorção é feita de modo mais lento, sendo associado a um melhor controle glicêmico, em pacientes diabéticos.
  • Melhora as funções do intestino grosso por meio de redução de tempo de trânsito, aumento de peso e freqüência das fezes.
  • Os ácidos graxos de cadeia curta ( AGCC ), produzidos pela fermentação de FA no intestino, estão associados á manutenção da mucosa do intestino, sendo um fator de proteção contra o câncer de cólon.
  • As principais fontes de fibras são grãos ( cevada, aveia e centeio ), frutas ( maçã, limão, laranja, lima ), vegetais, legumes e tubérculos. 

 

PRÉBIÓTICOS E PRÓBIÓTICOS

Os prébióticos e os próbióticos são atualmente os aditivos alimentares, que compõem os alimentos funcionais, estando geralmente presentes em produtos como iogurtes naturais ou industrializados. Prébióticos são componentes alimentares não digeríveis, que afetam beneficamente o hospedeiro, por estimularem, por estimularem seletivamente a proliferação ou atividade de bactérias habitantes normais do intestino grosso. 

Adicionalmente, o prébiótico pode inibir a multiplicação de patógenos, garantindo benefícios adicionais á saúde do hospedeiro. Esse prébióticos são fibras como a inulina e o fruto oligossacarídeo, ingeridas na dieta e fermentadas no intestino pela flora intestinal. As principais fontes de inulina e olifofrutose, empregadas na indústria de alimentos são a chicória ( Cichorium intybus ) e a alcachofra de Jerusalém ( Helianthus tuberosus ).

Os próbióticos são microorganismos vivos, administrados em quantidades adequadas, que conferem benefícios á saúde do hospedeiro. Os benefícios á saúde conferidos pelos próbióticos são: controle da flora intestinal; diminuição da produção de patógenos através da produção de componentes antimicrobianos; promoção de digestão da lactose em indivíduos intolerantes á lactose; estímulo do sistema imune; alívio da prisão de ventre; aumento da absorção das vitaminas e minerais.

 

O que fazer na escolha de nossa alimentação?

 

O mais importante é o que evitar: se evitarmos o que é maléfico para a saúde, aquilo que sobrar não será tão prejucicial. A moderação é questão de "bom senso", pois mesmo uma comida nociva, consumida ocasionalmente não fará  tanto mal .

 

Evitar ao máximo:

 

Açúcar branco - doces, sorvetes, refrigerantes, bolos, chocolates, etc

Trigo refinado -  pão,  pizzas, bolachas ( mesmo as salgadas ), batatas, bebidas alcoólicas.

Embutido -  Salames, salsichas, latarias, sal refinado.

O que usar?

 

Frutas oleaginosas -  castanha do Pará, amêndoas e nozes são excelentes fontes de micronutrientes, como a vitamina E, que previne doenças degenerativas e cardiovasculares. Também  são ricas em selênio, um ótimo aliado para combater o envelhecimento. Mas essas delícias têm um valor calórico considerável, portanto para serem ingeridas com moderação. Duas unidades por dia são suficientes para não “ perder “ a forma.

Frutas desidratadas e secas - maçã,  banana, damasco, uva passa e figo são as mais comuns. O que diferencia as secas das desidratadas é o processo de fabricação e a quantidade de água que permanece no alimento. A fruta seca conserva mais líquido que a desidratada geralmente, mais crocante. As secas mantém os mesmos nutrientes de versão in natura, mas na versão desidratada eles diminuem bastante durante o processo de fabricação. As frutas secas ainda são menos calóricas do que as desidratadas, que contém mais gorduras.

Barrinhas de cereais - Feitas á base de soja, aveia, vitaminas e sais minerais, são idéias para o lanchinho da tarde ou para comer antes de malhar na academia. Embora saudáveis, são  "pobres" em água em sua composição: têm somente 20 % , contra 80 % dos alimentos normais. Procure hidratar  seu corpo com água, suco ou água de coco logo depois de comê-la. Isso evita o intestibo preso e facilita a digestão.

Iogurte - Auxiliam o bom funcionamento do intestino, com exceção dos pacientes que têm intolerância  ao leite de vaca, sendo uma boa opção o de soja.

Cereais matinais - Geralmente rico em fibras, os cereais integrais são poderosos para auxiliar no tratamento da obesidade, pois aumentam a saciedade. Só tome cuidado para as versões com açúcar, pois além de serem mais calóricas, contém baixas quantidades de fibras.